Conheça a estrutura da nova narrativa censória: “a era da pós-verdade e das fake news”

clinton-soros

Inicialmente, é preciso dizer que não há problema algum em denunciar “fake news”. O presidente norte-americano Donald Trump tem feito isso brilhantemente, estigmatizando empresas como CNN, The Washington Post e The NY Times. Recentemente, ele disse “you are fake news” para um repórter da CNN.

Isso é legítimo e democrático. A denunciação do viés adversário é parte da democracia.

O que estamos denunciando no Radar da Censura, não é, portanto, a crítica às “fake news” produzidas pelos adversários políticos de qualquer parte que se sinta atingida, mas a utilização da existência das “fake news” como um pretexto para o estabelecimento de censura.

A narrativa censória já pode ser mapeada em um padrão, que parece se repetir a toda vez que um órgão de mídia a propaga, junto com seus censores aliados.

Geralmente, o conteúdo pró-censura tem cinco passos básicos.

  1. Dizer que vivemos na era da “pós-verdade” a partir de um critério totalmente arbitrário. Esconde-se aqui, do povo, que a popularização do termo veio após o Brexit e a vitória de Donald Trump, ou seja, como uma reação da esquerda a duas derrotas políticas.
  2. Apelar à autoridade dizendo que o termo foi definido como “a palavra do ano” pela Oxford, sem revelar os critérios objetivos para essa definição. Apresentaremos aqui nos próximos dias evidências de que a definição de “palavra do ano” atende a objetivos partidários.
  3. Dizer que a era da “pós-verdade” se caracteriza pelas notícias falsas, as “fake news” e sugerir que há um problema a ser resolvido, sem apresentar dados estatísticos de aumento de fake news em relação a épocas passadas. Na verdade, a grande mídia sempre tem apelado às “fake news”.
  4. Propor a solução para eliminar as “fake news” a partir de “fact checkers”, mas esconder a partidarização das entidades escolhidas. Esse passo do truque é fundamental, pois a simulação de falso apartidarismo é a coluna central do projeto censório.
  5. Repetir, em ritmo bate-estaca, que os “fact checkers” são a única solução para corrigir as “fake news” e nos livrarmos da era da “pós-verdade”. Aqui eles excluem opções já existentes para a luta contra notícias falsas, como, por exemplo, processos judiciais a partir de pessoas difamadas, bem como a denunciação pública de conteúdo considerado falso por uma parte política. Essas soluções alternativas são ignoradas pela narrativa censória, que apela para “ou tudo ou nada” na defesa do uso dos fact checkers partidários. Elementar…

Todos os agentes de mídia e seus sicários que adotem os cinco padrões de discurso acima – que geralmente se repetem sequencialmente – devem ser observados com muita cautela. Sobre estes narradores deve ser lançada uma forte auditoria de padrões comportamentais. As ações devem ser tomadas tanto antes como depois do estabelecimento formal da censura.

Em síntese, a narrativa pró-censura é bastante clara e pode ser facilmente mapeada. Com isso, facilitamos a descoberta daqueles que tomaram partido da censura. Não há luta pela liberdade se não conhecermos os padrões de comportamento dos censores. Este é apenas o começo da batalha.

 

Começa a luta pela sobrevivência da liberdade de expressão no Brasil

big-brother

O projeto Radar da Censura dá início às suas atividades como resposta à uma necessidade urgente: lutar pela liberdade de expressão e prover um contraponto aos que lutam contra ela.

Atualmente, vivemos o advento da terceira onda de totalitarismo do mundo, que se baseia no uso da narrativa da “contenção da pós-verdade” para resolver o problema das “fake news” através de “fact-checkers”, os quais, como já se sabe, são normalmente enviesados. Basicamente esta é a implementação do Ministério da Verdade, da obra 1984, de George Orwell, em versão atualizada.

Porém, todos os censores modernos – tanto da segunda onda de totalitarismo como da terceira – possuem um Calcanhar de Aquiles: eles dependem das simulações de falso apartidarismo para conseguir avançar sua agenda. Mas as simulações de falso apartidarismo não sobrevivem à métodos de investigação de viés. Assim sendo, o Radar da Censura vai promover meios de auditar os censores.

Em vez de sermos “donos” de um método de investigação, iremos por aqui compartilhar esses métodos, para serem utilizados por quaisquer pessoas que forem atingidas ou ao menos ameaçadas por censura. Nosso radar também deverá focar nos propagadores de narrativas censórias. As ações dos censores serão escrutinadas.

Os censores, por serem inimigos da liberdade, serão aqui expostos em todos os seus padrões e atitudes. É preciso investigar seus financiadores, seus modelos de ação, suas narrativas, seus aliados e, enfim, lutar para implementar métodos a fim de conseguirmos fazer a democracia sobreviver.

Defenderemos ações legais e legislativas, além de movimentações da sociedade civil, para evitar que pessoas adeptas de projetos de poder totalitários não vençam. Traremos também evidências de censura em países como Inglaterra, França, Alemanha, Estados Unidos e Suécia, os quais já foram vitimados pelos mesmos padrões que os totalitários buscam implementar por aqui. Divulgaremos os perfis dos censores para que eles sejam conhecidos pelo público, assim como foi feito para se revelar os perfis dos colaboradores da ditadura militar. Em suma, este será um projeto para dar todas as informações para aqueles que querem lutar contra o mais abrangente modelo de totalitarismo do mundo.

Nos próximos dias divulgaremos aqui toda a equipe de colaboradores do Radar da Censura.